Tente outra vez

Seja qual for o seu sonho, vá atrás dele!
Eu levei isso ao pé da letra.
A minha relação com o medo é uma coisa bem estranha. Ele me instiga a fazer aquilo que me amedronta. Não consigo admitir que um sentimento me impeça de fazer o que eu desejo. Sentir as pernas amolecendo de medo é como um combustível pra me fazer ir adiante e quando chegar lá na frente, olhar pra trás, mostrar a língua e dizer “léro-léro!”
Quando era mais nova uma das coisas que mais temia era falar em público. Nossa, até hoje quando tenho que fazer uma apresentação, a boca seca, o estômago dói, a respiração sai do ritmo normal. Mas a adrenalina de ter uma platéia prestando atenção, ou não, no que você está falando sempre foi um desafio pra mim. Encarei esse desafio e durante muito tempo fui uma boa oradora na turma da escola. Daquelas que adorava apresentar um seminário, enquanto o restante da turma detestava.
Enfim, fui aprendendo a encarar, controlar e superar meus medos.
Penso o seguinte: se tudo der errado o que de pior pode acontecer? E geralmente a resposta é: você vai pagar um mico, vai quebrar a cara, vai ficar com o rabo entre as pernas, vai ouvir um sonoro “eu não disse”, vai voltar pra estaca zero…
Daí eu penso: E daí?
Sou daquelas que prefere juntar os cacos quantas vezes forem necessárias a agüentar a frustração do “eu nem tentei”, “poderia ter dado certo” ou “e se eu tivesse tentado?”
Nessa vida aprendi que quando nosso sonho não faz mal a ninguém, ou ao contrário pode ajudar uma ou mais pessoas, o universo conspira a favor para que realizemos nosso sonho.
Eu acredito nisso!
Foi assim que surgiu o sonho tanto do meu intercâmbio, quanto deste blog.
Quero realizar um sonho e projeto pessoal, isso é óbvio. Mas acredito que isso não prejudicará ninguém. E ao contrário, se minha atitude servir de exemplo para, por exemplo, meus irmãos, meu sobrinho e meus primos fazerem o mesmo, ótimo! Não apenas com o sonho de morar fora do Brasil, mas de acreditar que com sonho, planejamento, força de vontade, tudo o que desejamos realiza-se infalivelmente.
E se por um acaso este blog for útil para alguém que deseje ir para a Irlanda, melhor ainda!
Blogs me ajudaram muito no meu processo de decisão de país, cidade, escola, hospedagem e também dicas do dia a dia, noção de gastos iniciais, gastos mensais quando estiver em Dublin etc. Eu agradeço a todos! Caso este blog ajude um intercambista sequer com essas mal traçadas linhas, a missão desse espaço já está cumprida. Claro, contei também com a ajuda e apoio de muita gente que já fez intercâmbio (mesmo que para outros países), pessoas que moraram e ainda moram em Dublin. Essas dicas foram mais que valiosas, foram fundamentais! Meu mais sincero “Muito obrigada” de coração!
O que eu posso fazer é: tente outra vez! Porque do lado de cá tem uma mocinha que continuará tentando. Sempre!
E lembre-se: toda ação tem reação.

“Ou você controla os seus atos, ou eles o controlarão”
O Menestrel – Willian Shakespeare

Duas músicas não saem da minha cabeça enquanto eu escrevo. E como estou na fase “não guardo nada”, aí vai:

Do It
Lenine
Tá cansada, senta
Se acredita, tenta
Se tá frio, esquenta
Se tá fora, entra
Se pediu, agüenta
Se pediu, agüenta…
Se sujou, cai fora
Se dá pé, namora
Tá doendo, chora
Tá caindo, escora
Não tá bom, melhora
Não tá bom, melhora…
Se aperta, grite
Se tá chato, agite
Se não tem, credite
Se foi falta, apite
Se não é, imite…
Se é do mato, amanse
Trabalhou, descanse
Se tem festa, dance
Se tá longe, alcance
Use sua chance
Use sua chance…
Hê Hô, Hum! Nanananã!
Hê Hô, Hum! Nanananã!
Hê Hô, Hum! Nanananã!
Hê Hô!, Hum!…
Se tá puto, quebre
Ta feliz, requebre
Se venceu, celebre
Se tá velho, alquebre
Corra atrás da lebre
Corra atrás da lebre…
Se perdeu, procure
Se é seu, segure
Se tá mal, se cure
Se é verdade, jure
Quer saber, apure
Quer saber, apure…
Se sobrou, congele
Se não vai, cancele
Se é inocente, apele
Escravo, se rebele
Nunca se atropele…
Se escreveu, remeta
Engrossou, se meta
E quer dever, prometa
Prá moldar, derreta
Não se submeta
Não se submeta…
Hê Hô, Hum! Nanananã!
Hê Hô, Hum! Nanananã!
Hê Hô, Hum! Nanananã!
Hê Hô! Hum!…

Faça O Que Quiser Fazer
Cássia Eller

Pegue, se quiser um pedaço
Se quiser inteiro, se quiser pegar
Quebre, se gostar do som
Se te botar pra cima, se pra você é bom
Chore, se você quiser
Se ter ajuda a ver, se ajuda a enxergar
Reze, se quiser rezar
Se isso te convém, se você souber
Faça o que quiser fazer, é só querer
Fuja, se você tem medo
Se mesmo sendo cedo essa é a solução
Finja, quando quiser enganar
Ou mesmo dissimular alguma situação
Grite, se quiser gritar
Se é só pra aliviar, grite logo, então
Morra, mesmo sem querer
Ou se você quiser com suas próprias mãos

E agora estou saindo pra ir pesquisar preço de netbook e câmera pra levar. Minha ideia era comprar lá, mas várias pessoas recomendaram pesquisar o preço aqui e lá, pois posso quebrar a cara…
O euro não para de subir… isso é bad…
Preciso fazer um monte de coisinhas e isso está me deixando tensa… mas estou controlando bem.
Quer ter uma ideia?
Ana, a ideia do blog é ajudar quem está indo fazer intercâmbio então é CLARO que esse tipo de informação prática é que o povo está procurando aqui e não letra de música!
Ah, então ta bom… Vou botar uma lista geral aqui, depois posso explicar melhor:
– (como disse) pesquisar preços de câmeras, notes e netbook na Sta Ifigênia e Promocenter.
– Comprar remédios para fazer minha farmacinha básica
– Ajustar meus óculos que estão caindo (acho que isso não é muito útil, mas eu tenho que fazer, ué!)
– Fazer um Kit manicure pra levar (é gente, lá a gente vai precisar se virar)
– Comprar um dicionário
– Falar com a moça da agência que prometeu me ajudar com meu currículo
– Passar os arquivos (filmes, fotos, músicas) que quero levar para o HD
– Ver as senhas do meu VTM
– Fazer a procuração pra deixar aqui no Brasil
– Comprar umas havaianas e camisetas fuleiras da seleção pra usar como escambo lá
– Separar roupas que vou doar
– Arrumar minha estante de livros que está uma zona (ou minha mãe vai fazer um estrago enquanto eu estiver fora. Ela já me ameaçou várias vezes… ui!)
– Para de usar as roupas que vou levar e arrumar minha mala
– Ir ao cabeleireiro dar um jeito nos cachos (tô com medo de como vou me virar lá) e cortar as pontas
– Ter um dia de princesa: depi, manicure, sobrancelha, limpeza de pele etc. (porque lá, esquece!)

Acho que é isso!
Ufa!

E já deveria ter saído de casa enquanto escrevo isso.

É que fiquei feliz que algumas (2!) meninas já encontraram meu blog e comentaram antes de eu começar a divulgar… rsrsrs

É o Intercambiar em Dublin aí, meu povo!

Agora eu vou lá, porque preciso ticar vários itens dessa lista ainda hoje!

Abraço pra quem lê essas lorotas.

Quem tiver umas dicas, salvações, ansiolíticos (hehe) etc. não se façam de rogados e deixem comentários!

Fui!

Anúncios

Não sei se me motorizo ou compro uma passagem pra Dublin

Foi mais ou menos assim que tomei a decisão de fazer meu intercâmbio. Vontade, ah essa já existia faz tempo. Conhecer o mundo, aprender muito, de muitas formas e em diferentes lugares. Só isso já é motivo mais do que suficiente para sonhar em morar fora. Mas vamos lá, por que comprar um carro ou ir pra pro exterior?
Eu amo minha cidade. Sério mesmo! Sou paulistana e tenho muito orgulho disso. Mas sofro demais com o trânsito dessa megalópole. Sofro, o trânsito me destrói, os ônibus cheio conseguem me tirar do sério, calor humano, desrespeito com a população que deixa metade de seus ganhos em impostos, total falta de estrutura para o crescimento desenfreado da cidade e seus arredores… enfim… acreditava que comprando um carro seria algo do tipo “seus problemas acabaram!”. Mas aí passei a observar quem dirige na cidade. Um bando de estressados! Rsrs… o mesmo trânsito, a diferença é que não tem o calor humano. Mas você também não pode ler (o que é possível caso você consiga um milagroso lugar pra sentar no busão), ao contrário, é preciso atenção total. Porque mesmo fazendo tudo certo a possibilidade de você se envolver em um acidente no trânsito de Sampa é bem alta.
Mas que post mais pessimista! Principalmente para um 1º post!
É verdade… só sei que por tudo isso e mais um pouco decidi: ta na hora de tirar um ano pra mim!
E é isso que irei fazer.
Está chegando!
Embarco dia 15/10.
Escola paga, passagens pagas, seguros comprados, primeira hospedagem paga, euro… bem o euro é um safado que não para de subir…
Ontem foi meu último dia no trampo. Agora terei (espero) tempo para escrever aqui.
Pretendo ajudar quem pretende encarar a mesma aventura que eu. Afinal, blogs me ajudaram pra caramba. Com dicas, passo a passo de intercâmbio pra Irlanda e as experiências de cada um que é o mais legal.
É o mais legal principalmente porque é o que você mais vai encontrar por aqui. Blé!

Prometo que em algum momento (em breve) conto o tão procurado: passo a passo do intercâmbio para Dublin! rsrsrs…

Não posso deixar de fechar esse 1º post com a conversa que tive ontem cedo com minha mãe.
Situando: as duas se arrumando pra ir trabalhar. Meu último dia no trampo. Começo da contagem regressiva dos últimos 15 dias. Na noite anterior conheci pessoalmente um rapaz que também vai pra Dublin, pessoa gente boa demais, mas bastante ansioso o que me contagiou.

Eu: (na porta do banheiro, tirando a remela do olho) “Nossa, essa noite não dormi direito. Acordei assustada, achando que era super tarde, porque o rádio estava desligado e quando olhei o celular não eram nem 6 da manhã.”
Mãe: (no banheiro, passando chapinha no cabelo) “Você está nervosa porque hoje é o último dia…”
Eu: (tentando fazer drama) “É mãe, ta chegando!”
Mãe: (quebrando minhas pernas) “Ué, você marcou, uma hora tem que chegar!”

Por que eu tenho uma mãe tão madura?

PS:ah, e hoje tem show do SOAD pra exorcizar TUDO! rsrsrsrs…